Adeus, Rafa! Médio-Ofensivo não jogará mais pela selecção

Perto do Mundial no Catar, o habilidoso jogador do Benfica diz não para Fernando Santos; Substituto já é chamado para seu lugar

Nenhuma selecção tem sempre harmonia em seu plantel. Elencos campeões como os últimos títulos brasileiros do Mundo. As rivalidades internas de Romário e a comissão técnica, principalmente Zagallo e Parreira, em 1994. E os atritos que Felipão teve de lidar com o Ego de Rivaldo em relação às aparições de destaque de Ronaldo fenómeno. Os alemães experimentaram isso com Hummels, Özil e Muller, no fim da era Low. Agora possivelmente estamos presenciando a maior crise dentro da selecção francesa desde o título, na última Copa da Rússia. Com Mbappé brigando por direitos de imagem, em conflito com a família, Pogba procura se reabilitar até o fim do ano, Giroud x Benzema. Apesar de campeão mundial, Benzema causou irritabilidade do avançado por ser preterido por Deschamps pelo próximo melhor do mundo, além do ego, conflitos com a própria confederação foram expostos nos últimos tempos.

Em Portugal não nunca foi diferente. Quando Scolari assumiu as Quinas, os conflitos com os jogadores experientes eram gritantes. O mais claro foi com o guarda-redes, Vitor Bahía. Em seguida estendeu para as lendas portuguesas Fernando Couto e o craque Rui Costa, que poderia ter disputado seu último Campeonato Mundial por selecção. Porém, em terras portuguesas, ou melhor, mexicanas presenciamos a renúncia de Diamantino e Carlos Manuel, fragmentos do “Caso Saltillo” da selecção, até então comandada pelo seleccionador  José Torres que ainda renunciaria seu cargo tempo depois.

Na última segunda-feira o médio Rafa, bicampeão pela selecção portuguesa tomou uma decisão radical sobre seu futuro em relação aos comandados de Santos; Anunciando sua aposentadoria, pretende focar suas energias aos encarnados de Roger Schmidt.

Iniciando sua trajectória na selecção ainda jovem, na base do sub-20. Dois meses após, em junho do mesmo ano, pertenceu ao plantel das quinas no sub-21. Em 2015 foi vice-campeão Europeu. Paralelamente, atingiu a equipa principal em 2014. Após o amistoso que participou diante da selecção camaronesa, Rafa Silva foi chamado entre os 23 para a Copa do Mundo no Brasil. Ainda conquistou as edições da Eurocopa, em 2016 e venceu a Nations League, em 2019.

Muitas perguntas pairam ao ar no mundo do desporto.

Porém, muitas das respostas estiveram sempre defrontando quem questiona a decisão do também ala benfiquista.
O atleta de 29 anos se sentia insatisfeito com o aproveitamento dado em campo pelo seleccionador português. Apesar de estar presente nas equipas campeãs, Rafa parece certo de sua decisão. O avançado vem sendo um dos maiores destaques da equipe lisboeta. A equipa de Roger Schmidt, que está com 100% de aproveitamento em todos os torneios, conta com Rafa pela sua maneira versátil e agressiva em campo, onde não deixa espaços para os defesas, até aqui com seis golos e quatro assistências em 13 aparições pelo Benfica.

“Informei o técnico Fernando Santos e a FPF (Federação Portuguesa de Futebol) da minha indisponibilidade para representar a seleção nacional. Julgo tratar-se de uma decisão honesta e acertada, neste momento da minha carreira. Peço que as razões, de foro pessoal, sejam respeitadas por todos” – em comunicado, anunciou Rafa Silva.

Tudo aparentava ser questões de relacionamento entre o técnico e o craque. Vale dizer, que no início início ano, o selecionador comentou sobre o atleta do Benfica: “O Rafa faz parte, não é dos 40, é dos 30 jogadores que normalmente são selecionados. Por que é que em março não estará presente? Tudo tranquilo, é um jogador com quem sempre conto em absoluto”.

Apesar de ter sido chamado para a Data Fifa, Fernando Santos já optou para o seu lugar, o sub-21, e destaque dos águias, Gonçalo Ramos.

Edição: Vinícius Azevedo
Fotos: Football Dream/PortuGoal.net (edition)
Última actualização: 21 de Setembro de 2022

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *