Último teste: Portugal goleia Nigéria em semana de incertezas

Polémicas de Ronaldo, Santos em xeque, Félix destaque. A uma semana do Mundial, agora a bola da vez é convencer no Catar.

Nesta quinta-feira, 17, no Estádio José Alvalade, Fernando Santos não pôde contar com Cristiano Ronaldo, por conta de uma gastrite, no amigável contra a selecção nigeriana.
O time modificado teve suas virtudes mesmo sem seu maior talento e trouxe protagonismo para outras peças, casos de Bruno Fernandes, que marcara dois golos e para o melhor em campo (premiação da RTP), o médio do Porto, Otávio, que figurou bem o que foi a partida. Uma equipa onde a bola deveria e passou por todos os jogadores em campo. Com sua excelência na leitura de jogo, foi o jogador peça-chave na parte central do campo sendo combativo, e deu liberdade para a versatilidade de João Félix. Acionando todos em sua volta, como no caso de Dalot, ambos foram essenciais para o primeiro golo de Bruno Fernandes, sendo construtores da jogada do primeiro golo.
A selecção que dominava a Nigéria, que já na primeira etapa, contou com Bernardo Silva, com sua fluidez, cruzando uma bola interceptada com o braço de Osayi-Samuel, e forçando uma penalidade, que convertida por Bruno Fernandes, deixando o jogo já resolvido no primeiro tempo.

O sistema defensivo foi primordial para a confiança das Quinas, e se na primeira etapa do jogo Rúben Dias e António Silva deram a tranquilidade necessária, Santos resolveu testar o jovem defesa com o veterano Pepe, que apesar de sua liderança é papel histórico em Portugal, se lesionou demasiadamente durante a temporada. Nuno Mendes, deu lugar a Raphael Guerreiro. Já os médios e destaques nos primeiros quarenta e cinco minutos, Bernardo Silva e Bruno Fernandes deram espaço para Vitinha e João Mário.
Outra formação, com uma equipa mais versátil e menos ágil, sobrou para João Félix ditar o ritmo. Os trinta e cinco minutos do segundo tempo pressão alta da Nigéria, que ainda teve uma pênalti a seu favor, Osayi-Samuel foi derrubado na área por Raphael Guerreiro. Emmanuel Dennis assumiu a responsabilidade, mas sua cobrança parou em Rui Patrício. O guarda-redes da Roma deu segurança a selecção e agarrou a penalidade que poderia mudar o jogo.
André Silva tentou ser participativo, mas a verdade que estava mal em campo e não conseguiu fazer uma boa partida. O avançado saiu para a entrada de Gonçalo Ramos: nome do terceiro golo. João Félix serviu Raphael Guerreiro desmarcado, que se redimindo da penalidade feita minutos antes, deu a bola de bandeja para o avançado, na saída do guarda-redes, livre para completar o golo que frearia qualquer reação das Águias Verdes. Dois minutos após o golo do benfiquista, os nigerianos, desorganizados na altura final do jogo, cederam, e João Félix novamente sendo construtor da jogada, dominou dentro da área, e na linha de fundo, tocando para Gonçalo Ramos que mostrou requintes de garçom, e serviu com classe, dando um passe de letra para João Mário que sozinho não desperdiçou. Com a goleada completa, a Nigéria se esforçou para levar um outro revés, Etebo recuou mal para Uzoho, obrigando o guarda-redes a salvar sua selecção de um vexame em Lisboa.

Craque no divã

A semana não foi das melhores, e o jogo contra a Nigéria serviu de termômetro para ver como a equipa de Fernando Santos entraria em campo diante das polêmicas envolvendo o maior nome da selecção, Ronaldo. Sua entrevista bombástica para o jornalista polémico Piers Morgan foi complexa. Apesar do maior jogador da história do Real Madrid ganhar meio milhão de seguidores no Instagram após o bate-papo, o clima pesou nos bastidores. Suas falas foram comentadas, e tomaram o centro das atenções.
Um dos problemas que pode afetar a equipa de Fernando Santos há de ser decifrado entre Ronaldo e Bruno Fernandes, a forma como o camisola sete se referiu a Ten Hag, e ao clube, mostra a rota de colisão que há no ambiente e que afetara Bruno Fernandes. De forma constrangidora, é claro.

Nem tudo que reluz é ouro…

Fernando Santos tem em suas mãos a melhor geração portuguesa da história. A história já o indica como o maior treinador da selecção pelas suas conquistas, como a Nations League, e a conquista da Eurocopa, na França, contra os anfitriões.
Destacado os feitos, o selecionador deixou de fora de sua convocação Renato Sanches, Gonçalo Guedes, José Fonte, Florentino, Ferro, Gedson, Pedro Gonçalves e João Moutinho. Pote e apesar das lesões recentes de Sanches, são os nomes a causar as maiores estranhezas. Como se já não bastasse a renúncia de Rafa, destaque do Benfica, de Roger Schmidt.
Guedes era um outro nome que poderia estar na lista, já que Jota e Pedro Neto, lesionados, não estariam entre os convocados pela selecção.
No jogo desta quinta-feira nomes como Matheus Nunes, Palhinha, Rúben Neves, Rafael Leão poderiam estar entre os titulares. Um fator complicado que coloca em xeque a funcionalidade de Portugal é que Félix ou Leão hão de ser preteridos para a entrada de Ronaldo, que não vive seus melhores dias.

Os fantasmas na rota: agora é para valer!

O Grupo H tem tudo para ser o mais difícil, Portugal terá pela frente no Mundial do Catar dois algozes, mas três destinos: As eliminações (exceto a França, em 2006) desse milênio. Na estreia uma velha conhecida selecção: Gana. Portugal mesmo vencendo os ganeses por 2×1, caíram na Copa de 2014, na fase de grupos.

A segunda partida será diante dos responsáveis pela eliminação das Quinas no Mundial na Rússia, o Uruguai, que está em uma entressafra com as possíveis despedidas das lendas Suárez e o algoz de Portugal nos oitavos-de-final em 2018, Cavani, a Charrua conta com o atual campeão da Champions League com o Real Madrid, Fede Valverde entre os protagonistas, o médio do Tottenham, Bentancur e a nova estrela, ex-Benfica e agora no Liverpool, Darwin Núñez.

A selecção portuguesa fará sua última partida no Grupo contra os sul-coreanos, liderados por Son. Coreia que possivelmente é o maior trauma em Copas. Em 2002, com o golo de Park Ji-Sung na etapa final, Portugal caiu na fase de grupos e teve um dos seus piores desempenhos, sendo um dos momentos mais decepcionantes do esporte no país.

Edição: Vinícius Azevedo Silva
Fotos: FootballDream/Arlindo Homem/Carlos Silva
Última actualização: 18 de novembro de 2022

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *