Belenenses derrotado em casa pelo Basileia


Belenenses 0-2 Basileia (Janko – 46 e Embolo – 64) 

Com um relvado bem tratado e 300 adeptos do Basileia contra os 3000 de Belém o Belenenses desfrutou, como diria no final Sá Pinto, de mais esta experiência no futebol internacional.

Desta feita o Basileia puxou dos galões e mostrou porque é o hexacampeão suíço. Mas não foi fácil. O Belenenses com uma boa distribuição das suas peças a meio campo – na primeira parte – conseguiu ir atenuando a pressão helvética; Birkir Bjarnason apesar de ter trabalhado muito viu o seus esforços consecutivamente anulados por Tiago Silva e Ruben Pinto.
Breel Embolo foi sempre uma grande dor de cabeça para a defesa azul. Aos 9 minutos, depois de romper a defesa, rematou à base do poste direito de Ventura.
Respondeu o Belém por Kuca os 12 minutos, mas o avançado cabo-verdeano “deu umas virgulas a mais”, “meteu-se na cabine telefónica” e o guarda redes Tomas Vacilik defendeu a pontapé para longe da zona de baliza.
O Basileia voltou a ficar em sentido aos 19 minutos quando Luís Leal rematou forte ao ângulo superior esquerdo da baliza suíça. A bola passou a poucos centímetros.
Mohamed Elneny fazia boas aberturas mas a defesa azul respondia com eficácia e anulava os lances antes de o corpulento Marc Janko ficar em posição de remate.
Essa eficácia da defesa azul perdeu-se quando Filipe Ferreira, ao minuto 45,não conseguiu sair com a bola jogada e a perdeu para Breel Embolo, este tropeçou em si mesmo mas o árbitro húngaro achou que era grande penalidade, uma grande penalidade que Marc Janko converteu para o lado direito de Ventura.
Veio o intervalo e Sá Pinto reclamava. Diga-se, com razão.
Mas a segunda parte, já com o Belenenses a deixar de conter o jogo para assumir o querer ganhar, acabou por ser mais perigosa para as redes de Ventura que, no entanto, trabalhou muito e bem.
Nesta segunda parte foi visível o adiantamento de Fábio Sturgeon, que na primeira parte esteve mais recuado a ajudar os colegas do meio campo. Também apareceu mais vezes o lateral João Amorim dando um novo folego às investidas do Belenenses. Também por isso Mark Janko, mais solto, aos 6 minutos da segunda parte entrou pelo lado direito e rematou forte, obrigando Ventura a uma defesa difícil com os pés.
Aos 17 minutos da segunda parte Luca Zuffi fez uma excelente abertura para Breel Embolo que, sem grande oposição da defesa azul, descaiu para o seu lado direito e rematou entre Ventura e o poste da baliza. 2-0 para o Basileia; Não era injusto mas a sorte podia ter sido diferente para o Belenenses.
Nesta altura Sá Pinto dá tudo por tudo e faz entrar Tiago Caeiro por troca com André Sousa. André Sousa tinha feito um bom jogo mas a finalidade era ficar com uma linha ofensiva mais acutilante.Nesta altura Fábio Sturgeon trocava de faixa lateral co  Kuca –  Kuca no lado direito e Fábio Sturgeon no lado esquerdo.
No entanto esta pendente ofensiva do Belenenses fazia com que se abrissem espaços no meio campo que o Basileia aproveitava mas a defesa azul prontamente anulava.
 Com o passar dos minutos a equipa suíça começou a fazer valer a maior corpulência dos seu jogadores e Kuca saiu aos 36 minutos da segunda parte, cansado de uma noite em que podia ter tido mais sorte. Para o seu lugar entrou Fábio Nunes e Fábio Sturgeon volta à lateral direita. Até ao fim ainda hove tempo para uma defesa apertada de Ventura a remate de Mohamed Elneny de um remate forte de Luís Leal que Tomas Vacilik defendeu para canto.
Não foi possível ao Belenenses repetir o jogo de Basileia mas não há margem para arrependimentos. Os homens de Belém saíram do seu relvado de forma esforçada e digna. E os seus adeptos perceberam bem isso.
Belenenses:
Ventura
João Amorim
Ruben Pinto
André Sousa
Tiago Silva
Kuka
Fabio Sturgeon
Filipe Ferreira
Gonçalo Brandao
Gonçalo Silva
Luis Leal
Basileia:
Tomas Vacilik
Michael Lang
Luca Zuffi
Birkir Bjarnason
Manuel Akanji
Maraek Suchhy
Behrang Safari
Mohamed Elneny
Taulant Xhaka
Breel Embolo
Substituições:
Gonçalo Brandão por Tonel aos 27 minutos da primeira parte
André Sousa  por Tiago Caeiro aos 22 minutos da segunda parte
Kuca por Fábio Nunes aos 38 da segunda parte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *